2 de jun de 2013

a dor e a felicidade

A dor no peito aperta de qualquer jeito, sufoca torto a direito.
Que direito?
Direito de chorar,
de chiar,
direito de gritar,
de querer matar todo esse sentimento ruim que me corrói.
Que dói,
que faz engrandecer minha raiva por nada,
por tudo,
a cada segundo.
Sem pensar, to aqui,
procurando a felicidade dentro de mim,
felicidade essa que se foi,
ou esta indo,
se arrancando lento como um carro de boi.
Só peço que pare,
que me largue,
que me deixe,
que me jogue.
Já que eu só não dou conta, confio em ti este dar de conta, pois meu coração não já agüenta nem tanta dor, nem tanta tormenta, nessa qual eu me escorraço feito um palhaço no fim do espetáculo todo estraçalhado

8 de out de 2012

Love is all, love is u.

Talvez esse tenha sido o dia que eu me apaixonei por você. Lembro do dia em que você me deixou ir sem um beijo, lembro do dia em que você me deu o primeiro beijo. Lembro de todo tesão, desespero de arrumar um tempinho só pra te abraçar. Lembro da mensagem às 5 da manhã, do primeiro "eu te amo".
Eu lembro que te odiava, depois não lembro mais de nada, só lembro que em tão pouco tempo eu já te amava tanto.
Lembro do nosso término, do choro, da vontade de ficar junto e da vontade de estar só. Lembro de você só querer ficar longe de mim, de não suportar a minha presença. Lembro também como isso tudo voltou, de como parece que nada tivesse acontecido e a gente só tinha esperado o tempo passar. Lembro como era tenebroso ficar longe de você, de como eu me sentia sem chão, sem amor, sem cor.
Agora você tá comigo, não sei fazendo bem o que, mas hoje eu já não sinto mais tanto medo. Eu já não sinto medo de ser a melhor pessoa do mundo pra mim e pra você. Você foi o primeiro cara que fez eu me sentir amada e que eu amo como se não conseguisse respirar. Você é o meu primeiro amor e eu realmente quero que seja o ultimo. Com você eu tenho paz, com você eu tô feliz e completa... pronta pra essa cidade, pronta pra qualquer coisa. Com você eu só sei amar.

26 de out de 2011

Sobre ser louco

Minha tendência à depressão (ao drama) é maior do que eu queria.
Choro – Dor – Choro – Indignação – Choro.
Não exatamente nessa ordem, mas funciona assim.
Você reclama o direito de amar alguém.
 Ama. Sofre. Ama. Chora.
Você não aguenta a pressão dos ciúmes, do querer em excesso, do não poder ter em excesso.
Do não poder ter.
Você se sufoca de pensamentos loucos, ideias e ideais lindos. Acha que ganhou na loteria, na loteria do amor.
Você bate fotos poéticas e românticas, cheias de sentimento. Cheias dele em você.
Os filmes favoritos dele, agora são os seus. Os cigarros, as drogas e a bebida também.
Seu jeito infantil de falar sobre as coisas, sobre como pensa bobagens e toma banho de chuva, o faz rir.
O jeito dele de amar as pessoas, lutar por direitos que eu não sei quais são e comer alfajor te encanta, te faz brilhar os olhos de admiração e você diz baixinho: Ele é meu.

14 de ago de 2011

Domingo, pé de cachimbo.

Gosto de Domingo com cara de domingo.
Dia nublado, noite fria, ficar só e ver tv.
Passar o domingo assim é como lembrar de dias tristes e depressivos não tão distantantes.
É como me sentir em casa, pq pra mim era fácil ser triste.
Mas o bom mesmo de saber que é Domingo, é que amanhã é Segunda e eu vou te ver.